OUÇA A RÁDIO AO VIVO

N Notícia

Miguel Rojo/AFP

FOTO: Miguel Rojo/AFP

Parlasul impedido de visitar Lula: 'entendemos isso como posicionamento político'

A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (Parlasul) tentou visitar o ex-presidente Lula na prisão. O pedido foi negado nesta segunda-feira pela juíza responsável pela execução da pena de Lula.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

Segundo o grupo de parlamentares do Parlasul, a "Comissão tem como competência primária elaborar e publicar anualmente um relatório sobre a situação dos direitos humanos dos Estados partes, levando em conta os princípios das normas do Mercosul”. 

Sputink Brasil conversou com o Senador Humberto Costa (PT-PE), que também integra a Comissão de Direitos Humanos do Parlasul, sobre a situação do líder petista. Ele condenou a posição da justiça.

"Entendemos que mais uma vez a juíza responsável pela execução penal da pena do ex-presidente Lula está agindo a revelia da lei".

Segundo Costa, a lei já prevê visitação de parentes, advogados e amigos. Em sua opinião, deveria ter se dado mais liberalidade à essa questão em geral. No caso de Lula, no entanto, a situação seria ainda mais grave.

"A situação fica mais grave ainda, quando uma instituição como Parlasul encaminha de maneira oficial a sua Comissão de Direitos Humanos para avaliar as condições prisionais do ex-presidente e ocorre uma proibição", argumentou ele.

"Nós só podemos entender isso como um posicionamento político. Como um desrespeito à legislação nacional e também internacional", acrescentou.

Humberto Costa destacou que essa Comissão do Parlasul, assim como outras, tem total autonomia de visitar todo espaço ao qual for requisitada, ou onde decida ir.

"É um equívoco, que a gente espera ser devidamente reparado", declarou.

Segundo o senador, a decisão da justiça brasileira será debatida no Parlasur, no final de maio. Será discutida e avaliada.

O parlamento do Mercosul ainda não tem uma posição oficial quanto à situação de Lula, mas há um entendimento geral de que o ex-presidente está sendo submetido a um regime de extrema restrição.

"Vamos querer ouvir o próprio presidente sobre o processo contra ele. Ele denuncia a utilização da justiça para meios políticos. Vamos nós inteirar do processo como um todo para levar aos parlamentares do Parlasul a nossa leitura do que ocorre, desde o momento da abertura do inquérito, passando pela aceitação da denuncia e do julgamento em primeira e segunda instância", explicou Costa.

O grupo de parlamentares não foi o primeiro a ser barrado na porta da prisão. Desde que começou a cumprir a sua pena de 12 anos por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro nas instalações da Polícia Federal em Curitiba, há um mês, amigos e aliados políticos do ex-presidente tentam visitá-lo. Salvo raras exceções, as tentativas não tiveram sucesso.

FONTE: SPUTNIK BRASIL
Link Notícia