OUÇA A RÁDIO AO VIVO

N Notícia

Alex Boersma

FOTO: Alex Boersma

Estranho 'planeta órfão' está viajando sozinho através do Espaço

Um estranho corpo celeste de 200 milhões de anos, do tamanho de um planeta, foi descoberto a 20 anos-luz da Terra, fora do Sistema Solar.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

O "órfão", como foi chamado pelos pesquisadores, está produzindo uma inexplicável aurora incandescente e viaja sozinho através do Espaço, sem uma estrela-mãe.

"Este objeto está no limite entre um planeta e uma anã marrom, ou "estrela falhada", e isso está sendo surpreendente, pois potencialmente pode nos ajudar a entender os processos magnéticos que ocorrem quer nas estrelas, quer nos planetas," disse Melodie Kao, autora do estudo.

O corpo celeste, batizado de SIMP J01365663+0933473 e detectado inicialmente em 2016, possui uma massa 12.7 vezes superior à do gigante gasoso Júpiter, o maior planeta do nosso Sistema Solar. Também possui um potente campo magnético, 200 vezes mais potente que o de Júpiter, e sua temperatura na superfície ultrapassa os 800 graus Celsius, conforme citado pela CNN.

Inicialmente, estimava-se ser uma anã marrom ou uma estrela próxima de sua extinção, mas recentemente foram utilizados dados do observatório Karl G. Jansky Very Large Array, da Fundação Nacional de Ciência, visando determinar as emissões de rádio do corpo celeste, para confirmar a possibilidade de se tratar de um planeta interestelar.

As anãs marrons geralmente são consideradas demasiado grandes para serem planetas, mas não suficientemente grandes para permitirem a fusão do hidrogênio em seus núcleos, como as estrelas. Elas ainda podem produzir fortes auroras, mas o motivo por trás disso não é claro, pois elas não possuem vento solar das estrelas vizinhas. Uma teoria é que as auroras ocorrem quando um planeta ou a Lua interagem com o campo magnético das anãs marrons.

"A pesquisa apresenta grandes desafios para a nossa compreensão do mecanismo do dínamo que produz os campos magnéticos nas anãs marrons e exoplanetas, contribuindo para a criação das auroras que vemos", declarou Gregg Hallinan, coautor e professor assistente no Instituto de Astronomia da Califórnia.

Tal descoberta também significa uma nova maneira de detectar novos exoplanetas, incluindo os planetas órfãos que orbitam sem uma estrela-mãe.

FONTE: Sputnik Brasil
Link Notícia

Contate a RCI

Publicidade

Plug Consultoria e Projetos Plug Consultoria e Projetos

Previsão do Tempo