OUÇA A RÁDIO AO VIVO

N Notícia

© Divulgação/Imagens da internet

FOTO: © Divulgação/Imagens da internet

The Walking Dead S08E08: A maior reviravolta até agora

Leia o que achamos da midseason finale.

Todas as informações Adoro Cinema

Frank Darabont

Atenção: contém SPOILER!

Há um certo padrão nos episódios de The Walking Dead, que qualquer fã da série consegue observar facilmente. São geralmente quatro ou cinco episódios realmente impactantes e movimentados, enquanto os demais acabam girando em torno de desenvolvimentos mais lentos. A midseason finale é sem dúvidas um destes episódios mais importantes. Mas neste ano ela foi onde ninguém gostaria que tivesse ido.

O episódio ‘How It’s Gotta Be’ genuinamente se dedica para tratar de Carl (Chandler Riggs) e acompanhá-lo durante a maior parte do tempo. E funciona. Não especificamente porque ele conhecerá seu trágico destino (ou o início dele) ao fim daquela hora, mas porque tudo o que ele faz durante o episódio é importante para a trama e diretamente ligado à sua inevitável morte. Mas como ele chegou até lá?

Apesar de todos os percalços da temporada, que chegou tropeçando à midseason em episódios medianos e sofridos por todos os motivos errados, existe uma completude temática que reflete diretamente no flashforward de Rick (Andrew Lincoln) visto no primeiro episódio, em que ele diz que deixará “a misericórdia prevalecer sobre a ira”. Naquele momento, o que vimos parecia um salto curto ao futuro, e os olhos vermelhos de Rick sugeriam uma perda devastadora. Faz sentido imaginar que o momento será exatamente após a morte de Carl, e que o discurso sobre o perdão vem dos ensinamentos que Rick recebeu do filho, quando este se recusou a deixar Siddiq e voltou para ajudá-lo.

O próprio episódio 8 começa com um aceno direto a esta divergência de pensamentos entre Rick e Carl, com um flashback para o momento em que os dois encontraram o terceiro rapaz no posto de gasolina. Acompanhamos a conversa que eles tiveram logo depois, e Carl fala ao pai sobre agir quando se importa e que a esperança sozinha não basta.

“Por que estamos lutando, afinal?”

A questão permeou os oito primeiros episódios através de várias frentes, sendo que a principal delas (e definitivamente a mais irritante também) foi com Jesus (Tom Payne) e seu recém-encontrado espírito misericordioso. É verdade que a repetição de arcos narrativos já utilizados à exaustão em temporadas anteriores não funcionou bem para esta primeira metade da oitava temporada, mas o triste destino de Carl mostra há no mínimo um encerramento para tudo isso. O episódio 8 não está necessariamente preocupado com as questões morais, que aparecem pinceladas uma hora aqui, outra ali, mas mostra que aquilo tudo simbolizava a morte do nosso pequeno otimista.

Apesar de a midseason não terminar especificamente com uma morte, mas com a promessa de uma, o showrunner Scott M. Gimple revelou que a mordida que Carl levou vai gerar as repercussões comuns de uma mordida de zumbi. Já vimos alguns personagens escaparem de situações talvez até mais complicadas, mas não há imunidade. O que está traçado, está traçado.

Trata-se também da maior divergência em relação aos quadrinhos já feita até agora na série de TV. A produção não é estranha a reviravoltas que a distanciam da obra original, mas Carl se torna extremamente essencial para a trama nas HQs. Há um natural estranhamento aí por parte dos fãs na morte, mas é importante também ter calma e esperar para entender para onde a série vai a partir de agora. O afastamento não é necessariamente algo ruim, apesar de ser o que primeiro vem à cabeça das pessoas.

De forma geral, o episódio é recheado de decisões ruins, tomadas pelos Salvadores, por Daryl (sério, Daryl, você vai continuar estragando as coisas e saindo impune?), e até por Carl, que pelo que tudo indica levou a mordida fora de câmera. O sinal da morte de Carl é algo grandioso, mas toda a estrutura do episódio evidencia que The Walking Dead tem se escorado grandes momentos singulares, personagens extremamente irritantes (estamos falando de você mesmo, Eugene) e planos que simplesmente ficam escondidos do público a troco de nada além de um roteiro mal escrito.

The Walking Dead retorna em fevereiro de 2018.

Episódio: 8.08 - How It's Gotta Be
Escrito por:
 Frank Darabont
Dirigido por: Michael E. Satrazemis
Exibido originalmente em: 10/12/2017

FONTE: Adoro Cinema / Laysa Zanetti
Link Notícia